domingo, 21 de janeiro de 201821/1/2018
+55 83 9 86812319
Claro
22º
23º
36º
Patos - PB
Erro ao processar!
Banner abaixo dos vídeos
MULHER
16 IMAGENS DOLOROSAS QUE MOSTRAM COMO É O DIA A DIA EM UM PROSTÍBULO DE BANGLADESH
Uma jornalista Alemã chamada Sandra Hoyn foi até o país, especialmente com o objetivo de documentar...
Rita Bizerra Patos - PB
Postada em 14/12/2017 ás 18h05 - atualizada em 14/12/2017 ás 18h34
1.547 acessos
16 IMAGENS DOLOROSAS QUE MOSTRAM COMO É O DIA A DIA EM UM PROSTÍBULO DE BANGLADESH

Prostíbulo

Bangladesh é um país asiático que possui uma grande fronteira com a Índia. Apesar do país ser em sua grande maioria muçulmano, a prostituição é completamente legalizada. É no distrito de Tangail, que existe um dos bordéis mais antigo de todo o pais. O bordel Kandapara tem nada mais e nada menos do que 200 anos e também é considerado o segundo maior de Bangladesh.


Uma jornalista Alemã chamada Sandra Hoyn foi até o país, especialmente com o objetivo de documentar como é a vida dentro do Kandapara, visto que o bordel é basicamente uma pequena cidade murada, que abriga centenas de mulheres que vivem ali.


Segundo a própria jornalista: "- O bordel é como o seu próprio microcosmo, é uma cidade em uma cidade. Nas ruas estreitas, há barracas de comida, lojas de chá e vendedores ambulantes. Passei todos os dias de manhã até à noite no bordel e alguns dias eu esqueci onde eu estava. Às vezes era como a vida cotidiana em outra cidade com as suas próprias regras".


Apesar da pseud liberdade que a estrutura do bordel posse passar, uma vez que é um lugar fechado e protegido, as prostitutas não são tratadas como cidadãs comuns.


06



 


Elas não possuem direito algum, são proibidas de ultrapassarem os muros da Kandapara, e se quer são autorizadas a ficar com todo o dinheiro que elas fazem, visto que o local, obviamente possui um dono.


A grande maioria das meninas são extremamente pobres, e foram traficadas, abandonadas ou até mesmo nasceram dentro do bordel. Por isso, apesar de na teoria, as prostitutas precisarem ser maiores de 18 anos, na prática as coisas não são bem assim. A maioria delas chegam ao bordel nessas condições mencionadas acima, e começam a fazer programas com 12 a 14 anos.


Para se passarem por mais velhas, muitas recorrem a utilização de esteroides, que geralmente são usados por agricultores para engordar o gado, o objetivo é além de parecer mais velha, encorpar e conseguir agradar aos clientes.


Além disso o sistema de valores dentro do bordel funciona de maneira sistemática, uma vez que a beleza e idade de cada menina é que determina o seu preço. De um modo geral, as prostitutas desse local, ganham uma média de 1000 a 2000 Taka diários, que é o equivalente a 35 a 71 reais por dia. Visto que o preço médio do programa é de 300 Taka, o que em nossa moeda seria o equivalente a 10 reais.


Confira agora, as fotografias realizadas por Sandra Hoyn, e entenda como é o triste dia a dia dessas fortes mulheres:


1- Papia, tem 18 anos, teve um casamento abusivo e precoce, e foi parar no bordel após cumprir a sua condenação em um presídio, por usar heroína


02


2- Dipa de 26 anos, está grávida de dois meses de um cliente, e infelizmente já sabe qual será o destino de seu bebê caso tenha uma filha mulher dentro de Kandapara


03


3- Algumas mulheres a espera de clientes


04


4- Mim, de 19 anos de idade, tomando uma ducha


05


5- Muitas crianças nascem em Kandapara, abaixo os gêmeos de apenas 5 dias, são filhos de Jhinik, uma jovem de 20 anos que ainda não deu as crianças um nome


07


6- Preservativos usados que foram descartados do lado de fora do bordel


08


7- Pakhi, 15 e Mim, 19, desfrutam de um momento livre


09


8- Priya, 19, é abordada por um cliente que tenta beijar sua bochecha, ela começou a trabalhar no bordel aos 17 anos de idade


10


9- Priya, brincando com um amigo durante um momento de descontração


11


10- Pakhi, 15 anos, foi obrigada a se casar aos 12 e fugiu logo em seguida, aos 14 anos um homem a encontrou na rua e a vendeu para o bordel


12


11- Sumaiya, 17, e o seu cliente fixo Titu, 23


13


12- Clientes a espera pelas ruas de Kandapara


14


13- Meghla 23, começou a trabalhar aos 12 anos em uma fábrica, mas foi vendida ao bordel por um homem que lhe prometeu um trabalho melhor


15


14- Asma, 14 , com um cliente. Ela nasceu no bordel e dançava para os clientes, na idade atual começou a também fazer programas


16


15- Asma, 14


17


16- Kajol, não sabe sua idade ao certo, mas acredita ter 17 anos. Ela teve um casamento forçado aos 9, e ao tentar fugir foi vendida por sua tia ao bordel. Atualmente com um filho de 6 meses, ela foi obrigada a ter relações com os clientes 2 semanas após o seu nascimento


18


E então queridos leitores, quais foram as impressões e sentimentos que essas fotos lhe causaram? Conta pra gente aqui embaixo, pelos comentários!

FONTE: Medium.com
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium